E aí tchê
Em missão pela vida
FacebookTwitterInstagramYouTube

Primeiro encontro de 2018 do Serviço de Evangelização da Juventude conta com a presença de assessores nacionais da CNBB

Publicada em 19/02/2018

  • Primeiro encontro de 2018 do Eai? Tchê conta com a presença de assessores nacionais da CNBB

O Serviço de Evangelização da Juventude (SEJ) reuniu, nos dias 17 e 18 de fevereiro, assessores, articuladores e comunicadores dos setores diocesanos da juventude para rezar, refletir, partilhar e indicar o caminho de evangelização que será percorrido este ano, no âmbito do Plano Trienal que tem como tema transversal Ecologia Integral e Políticas Públicas. O encontro, realizado no Centro de Espiritualidade Cristo Rei (Cecrei) contou com a presença de Dom Nelson e Padre Antônio do Prado, da Comissão Episcopal Pastoral para aJuventude (CEPJ) da CNBB, além dos bispos referenciais para a evangelização do Rio Grande do Sul, Dom Adelar Baruffi e Dom Adilson Busin.

Os membros da CEPJ propuseram aos participantes a realização de uma avaliação que está sendo feita em todo o país, sobre os desafios e necessidades com relação a oito linhas de ação propostas pelo Documento 85, sobre a Evangelização da Juventude: formação integral do discípulo; espiritualidade; pedagogia da formação; discípulo para a missão; estrutura de acompanhamento; ministério da assessoria; diálogo, fé e razão; e direito à vida.

Em seguida, ocorreu uma roda de conversa em que Dom Nelson e Pe. Antônio responderam perguntas feitas pelos jovens. Um dos questionamentos foi sobre como a Igreja orienta que a juventude se posicione diante do atual cenário político. Em resposta, Dom Nelson disse que é necessário ter prudência nesse momento de polarização política onde de um lado está a extrema direita, e do outro a extrema esquerda. De acordo com o bispo, é necessário refletir sobre se nas polaridades está a evangélica opção pelos pobres. “O Brasil não precisa de extremismo, precisa de pontes”, concluiu.

Sobre o acompanhamento feito pela CNBB com relação à evangelização da juventude, Dom Nelson esclareceu que a prioridade é fazer chegar a todas as expressões juvenis as orientações da Igreja com relação à juventude e fazer comunhão, com a participação dos leigos nesse serviço. “A função da CNBB não é deliberativa, é de comunhão, participativa. De modo concreto, o acompanhamento das juventudes acontece nas dioceses, por meio do protagonismo dos leigos. Se a gente perder a referência direta às bases, a estrutura nacional perde o sentido”, afirmou, mencionando o papel do Serviço de Evangelização, em nível regional, e do Setor Juventude, nas Dioceses.

Sobre a diversidade de expressões juvenis presentes na Igreja, o bispo enfatizou que os grupos não são criados pela CNBB ou pelo Serviço de Evangelização Regional, mas acontecem nas bases, e que é preciso “cuidar para que não haja rivalidade, mas comunhão”.

Na tarde de sábado,  Pe. Antônio apresentou o Projeto Rota da Vida, que visa a valorização da vida e combate à violência, baseado no tema da Campanha da Fraternidade 2018, “Fraternidade e Superação da Violência” e no lema “Em Cristo somos todos irmãos” (Mt 23,8). O assessor nacional da CEPJ também apresentou o Plano Trienal da Pastoral Juvenil no Brasil, elaborado a partir do 2º Encontro de Revitalização da Pastoral Juvenilno Brasil, realizado em setembro do ano passado, e que tem como foco a formação integral dos jovens, dentro e fora da Igreja.

Na noite de sábado e no domingo pela amanhã, os assessores, articuladores e comunicadores se reuniram em grupos, para um momento de escuta e partilha sobre as realidades e experiências de evangelização das juventudes nas dioceses.

“Como assessora jovem, a minha caminhada de evangelização das juventudes está cada dia mais clara. Estou sentindo que os passos dados estão cada vez fazendo mais sentindo. A reunião dos assessores, comunicadores e articuladores me proporcionou isso, uma reflexão ao olhar para trás, percebendo a grandeza da missão que nos foi confiada por nosso Senhor. Olhando o presente, vejo que os meus sonhos também são os sonhos dos meus irmãos na fé. Queremos um mundo melhor e estamos juntos construindo o Reino de Deus!”, avalia a assessora jovem Giulia Stringuini, da Diocese de Cachoeira do Sul.

No encerramento do encontro, após conversas em grupos divididos por Província Eclesiástica, foram realizados os encaminhamentos para as formações de multiplicadores e encontro de lideranças que ocorrerão ao longo do ano. Além dos momentos de oração que ocorreram nos dois dias na capela do Cecrei, o encontro contou com duas missas, celebradas pelos bispos Dom Nelson e Dom Adelar Baruffi.

Esse foi o primeiro encontro de lideranças realizado pelo Serviço em 2018, e foi também o primeiro sob a coordenação do Pe. Rudinei Zorzo, que assumiu a coordenação do SEJ em janeiro de 2018.

“Primeiramente, o que fica desta primeira atividade conjunta do ano é o desejo de estreitar cada vez mais os laços com a Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB para que possamos trilhar um caminho juntos, cada um na sua instância, na sua realidade, mas um caminho conjunto. Em segundo lugar, vem um forte apelo de retorno aos documentos da Igreja que balizam o trabalho com as juventudes (Documento 85 e Civilização do Amor), para redescobrir a beleza e a riqueza do trabalho das estruturas de acompanhamento (equipe de articulação e equipe de comunicação) nos Setores Diocesanos da Juventude”, afirma Pe. Rudinei.

 

 

 

 

 

Fonte: Daiane de Carvalho Madruga

E aí tchê

Subsídios

© 2017 - E aí tchê Site produzido pela Netface