E aí tchê
Em missão pela vida
FacebookTwitterInstagramYouTube

Seminaristas da diocese de Caxias do Sul participam de experiência missionária em Rondônia

Publicada em 10/02/2017

O ano de 2017 já começou com grandes experiências e renovação da fé para os seminaristas Jeverson Boldori, 22 anos e Miguel Mosena, 24. Eles são seminaristas da diocese de Caxias do Sul e cursam Teologia, na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Os dois foram enviados à cidade de Buritis, no estado de Rondônia, para participar da V Experiência Missionária.

A arquidiocese de Porto Velho os acolheu entre os dias 03 a 29 de janeiro. Com eles, mais 60 missionários de diversos estados do Brasil tinham o intuito de cada um ser sinal do amor de Deus na vida de todas as famílias. Também buscaram moldar seus corações de discípulos, como missionários, que acolhem o mandato de Jesus de ir e evangelizar a todas as nações.

A cidade de Buritis tem aproximadamente 40 mil habitantes e está há cerca de 300km de Porto Velho. A paróquia, que tem como padroeira Santa Marta, é composta por 98 comunidades. A capela mais distante fica há 100km da igreja matriz. Das 98, cerca de 13 comunidades ainda não têm energia elétrica. A realidade pastoral se apresenta escassa: são apenas três sacerdotes e quase não há vocações religiosas.

Os jovens permaneceram, em média, três dias em cada comunidade. Tinham a missão de visitar, conversar, rezar, celebrar e partilhar a vida. “De casa em casa, e escutando os diversos relatos lembrava-se do evangelho de Jesus Cristo e da velha e emocionante música ‘Leva-me aonde os homens necessitem Tua palavra, necessitem de força de viver, onde falte a esperança, Onde tudo seja triste simplesmente, por não saber de Ti’”, comenta Jeverson.

Das histórias escutadas por Miguel, uma lhe marcou muito. Foi o testemunho de um senhor da comunidade “Ele nos dizia assim: vocês que são seminaristas, não desistam! Vocês não sabem o que é ficar 7 anos sem padre aqui na paróquia. Vocês tem vida dentro de vocês. Não deixam que roubem isso de vocês. Este pedido reforçou o sim ao chamado vocacional, ajudou ver o quanto somos privilegiados na nossa região em ter oportunidade da missa dominical sabendo que Buritis o povo tem missa de três a quatro vezes ao ano”, explica.

Para Jeverson, cada história é única porém sempre existe uma que chama para a realidade. “Numa família, muito simples, muito sofrida, ao chegar, me acolheram com alegria, me ofereceram um copo de café, e começaram a partilhar a vida sofrida, do casal e dos filhos, onde o marido estava sofrendo por algumas doenças de saúde, e precisa viajar três vezes por semana a mais de 300km para fazer seu tratamento, e que essas viagens estava os fazendo sofrer demais”. A família resolveu, então, ir morar em Porto Velho, mas não tinham condições para isso. “E no final, depois de chorar junto com eles, recebi um abraço de despedida, mas um abraço que posso dizer que realmente fez o dia valer a pena e me deu ânimo e força para seguir em frente”, conta.

Os dias passaram e chegou a hora de voltar. E me vem aquela reflexão de que é preciso a cada dia deixar-se encantar pelo amor de Deus, e reconhecer as grandes maravilhas que ele realiza com o seu povo. A emoção de ser uma Igreja em saída, próxima às dores das pessoas, uma Igreja mãe que acolhe a todos os seus filhos, acidentada, ferida, mas que soube sair pelas estradas para falar do amor de Deus”, conclui Jeverson.

E aí tchê

Subsídios

© 2017 - E aí tchê Site produzido pela Netface