E aí tchê
Em missão pela vida
FacebookTwitterInstagramYouTube

Igreja, a obra-prima do Espírto! - Catequese com o Papa Francisco

Publicada em 23/10/2014

  • Igreja, a obra-prima do Espírto! - Catequese com o Papa Francisco

     Na manhã desta Quarta-feira, 22 de Outubro, o Papa Francisco fez a sua Catequese semanal na Praça São Pedro, dando sequência ao tema da Igreja, a “obra-prima do Espírito”, como ele mesmo destacou.

     O Papa iniciou a Catequese falando do Espírito Santo, da sua força e importância para criar e sustentar a união do povo de Deus. Ele citou a passagem do livro de Ezequiel, onde Deus mostra ao profeta que a partir da invocação do Espírito, até mesmo ossos, separados e ressecados, se aproximam, se unem, começam a receber nervos e carne até formarem novamente um corpo, "completo e cheio de vida".

     E assim é com a Igreja, disse Francisco, destacando que não é somente um corpo edificado no Espírito, mas verdadeiramente a Igreja é o próprio Corpo de Cristo. Pois é através do dom do Sacramento do Batismo que ressurgimos com o Cristo como novas criaturas.

     O Papa Francisco falou que é importantíssimo que lembremo-nos constantemente do que somos: membros do Corpo de Cristo, corpo que nada e ninguém pode arrancar dEle e que Ele mesmo recobre de pleno amor, “como um esposo (faz) com sua esposa”. E o grande destaque é entendermos que o fato de sermos profundamente amados precisa despertar em nós o desejo de corresponder à este amor partilhando-o entre os irmãos.

     A partir desse ponto, tendo consciência de que somos todos membros do mesmo corpo vivo de Cristo, o Papa introduz na Catequese a temática das tentações à divisão que a Igreja sofre, e cita o exemplo da comunidade de Corinto, uma das destinatárias das Cartas de São Paulo.

     Disse o Papa que, como bem sabemos, a inveja e as incompreensões ao invés de edificarem a Igreja, contribuem para a fragilização, pois nos fraturam em várias partes, desmembrando-nos.

     Como de costume, aparecerem nas Catequeses do Papa Francisco os questionamentos que devemos nos fazer de forma bem objetiva e sincera. Nas nossas paróquias, comunidades, grupos, no nosso serviço pastoral, “quanta inveja, como se fala pelas costas, quanta incompreensão e marginalização. E o que isso implica? Desmembra-nos entre nós. É o início da guerra.”, alertou o Santo Padre.

     O Papa apresenta alguns dos conselhos dados por São Paulo aos Coríntios que são válidos também hoje para nós: “não ser ciumento, mas apreciar nas nossas comunidades os dons e as qualidades dos nossos irmãos”. “Um coração ciumento é um coração ácido, um coração que em vez de sangue parece ter vinagre; é um coração que nunca está feliz, é um coração que desmembra a comunidade.”, disse Francisco.

     O Papa então nos deixou conselhos de como agir nestas situações: “Apreciar nas nossas comunidades os dons e as qualidades dos outros, dos nossos irmãos. E quando me vem o ciúme – porque vem a todos, todos somos pecadores – devo dizer ao Senhor: ‘Obrigado, Senhor, porque destes isto àquela pessoa’. Apreciar as qualidades, fazer-se próximo e participar do sofrimento uns dos outros e dos mais necessitados; exprimir a própria gratidão a todos. O coração que sabe dizer obrigada é um coração bom, é um coração nobre, é um coração que é feliz.”

     E é esta a grande reflexão que devemos fazer, reconhecer as grandes potencialidades que Deus concede aos nossos irmãos, entender que a diversidade dos dons, dos carismas, das capacidades e das potencialidades é obra do Espírito para que formemos o Corpo de Cristo, e não para que se criem divisões. Devemos louvar à Deus pelas capacidades e sucessos dos nossos irmãos e não devemos considerar ninguém superior aos outros, como diz São Paulo.

     De acordo com o Papa Francisco, quando formos tentados à dizer “Agradeço-te, Senhor, porque não sou como aquele, sou superior”, devemos lembramos dos nossos pecados mais escondidos, devemos nos envergonharmos deles e dizer diante de Deus: “Mas tu, Senhor, tu sabes quem é superior, eu fecho a boca”. Pois assim, caridosamente, segundo o Papa, poderemos considerar-nos membros uns dos outros, em doação e benefício mútuo.

     Durante a catequese disse o Santo Padre:

“Recomendo hoje que peguem a Bíblia em casa, no capítulo 37 do profeta Ezequiel, não se esqueçam, e leiam isto, é belíssimo. Esta é a Igreja, é uma obra-prima, a obra-prima do Espírito, que infunde em cada um a vida nova do Ressuscitado e nos coloca uns próximos aos outros, um a serviço do outro e como apoio do outro, fazendo assim de todos nós um só corpo, edificado na comunhão e no amor.”.

 

Acesse a Catequese na íntegra aqui.

E aí tchê

Subsídios

© 2017 - E aí tchê Site produzido pela Netface