E aí tchê
Em missão pela vida
FacebookTwitterInstagramYouTube

13 de junho - Santo (casamenteiro) Antônio

Publicada em 12/06/2014

Ele é considerado um dos santos mais populares da Igreja. Não é pra menos. Nele são depositadas promessas e pedidos de um bom casamento e muito amor. Entre os solteiros há quem diga que todo dia é Dia de Santo Antônio mas hoje, 13 de junho, é oficialmente o dia dele.

Santo Antônio em uma família humilde, em 1195, em Lisboa, Portugal. Foi batizado com o nome de Fernando. Começou a fazer parte dos cônegos que seguiam a regra monástica de Santo Agostinho. O foco do trabalho era o estudo da Bíblia.

Por volta de 1220, o jovem Fernando viu uma exposição de objetos dos primeiros cinco missionários franciscanos que haviam se dirigido a Marrocos. Esse acontecimento fez com que ele pedisse para deixar os cônegos agostinianos e converter-se em frade menor. O pedido foi atendido. Aí já como Antônio ele partiu para Marrocos.

Devido a uma doença, Santo Antônio se viu obrigado a voltar à Itália e, em 1221, encontrou São Francisco. Depois disso, viveu por algum tempo totalmente escondido em um convento. Começou, assim, na Itália e na França, uma atividade apostólica que levou muitas pessoas que haviam se separado da Igreja a retomarem sua participação e engajamento na vida eclesial. Faleceu em 13 de junho de 1231, em Pádua, na Itália.

 

?A fama de casamenteiro

Não se sabe exatamente qual a origem desse título. Mas diz a lenda que uma mãe desesperada pela miséria decidiu prostituir a filha. Mas a jovem, bonita e decidida, não aceitou de forma alguma. Como a mãe não parava de insistir, a moça resolveu recorrer à ajuda de Santo Antônio. Rezava com grande confiança e muitas lágrimas diante da imagem quando, das mãos do Santo, caiu um bilhete que foi parar nas mãos da moça. Estava endereçado a um comerciante da cidade e dizia: "Senhor N..., ajude esta jovem que lhe entrega este bilhete com tantas moedas de prata quanto o peso do mesmo papel. Deus o guarde! Assinado: Antônio".

A jovem não duvidou e correu com o bilhete na mão à loja do comerciante. Ele riu mas, vendo a atitude modesta e digna da moça, colocou o bilhete num dos pratos da balança e no outro deixou cair uma moedinha de prata. O bilhete pesava mais! Intrigado e sem entender o que se passava, o comerciante foi colocando mais uma moeda e outras mais, só conseguindo equilibrar os pratos da balança quando colocou 400 moedas. O episódio tornou-se logo conhecido e a moça começou a ser procurada por bons rapazes propondo-lhe casamento, o que não tardou a acontecer, e o casamento foi muito feliz. Daí por diante, as moças começaram a recorrer a Santo Antônio sempre que se tratava de casamento.

E quem duvida?

Antônio nos recorda que a oração precisa de uma atmosfera de silêncio, que não coincide com o afastamento do barulho externo, mas é experiência interior, que procura evitar as distrações provocadas pelas preocupações da alma. (Extraído e adaptado da Catequese do Papa Bento XVI no dia 10 de fevereiro de 2010)

 

E aí tchê

Subsídios

© 2017 - E aí tchê Site produzido pela Netface